(Artigo da autoria de Francisco Varatojo)

Benefícios das compressas de gengibre: as compressas de gengibre são um dos tratamentos naturais mais utilizados no Extremo Oriente e podem ser usadas para uma grande variedade de situações, tais como: Dores agudas ou crónicas, como em reumatismo; torcicolo, tensão nos ombros. Bronquite, asma, cólicas intestinais, prisão de ventre, diarreia, cólicas renais, infeções da bexiga (neste caso as compressas são aplicadas sobre os rins).
Em tecidos danificados, as compressas de gengibre podem ajudar a acelerar a regeneração das áreas afetadas (por exemplo em fraturas ósseas).

Este tratamento não deve no entanto ser utilizado nos seguintes casos:

- no ventre de uma mulher grávida
- no crânio
- em bebés pequenos (até 2 anos de idade)
- com febres altas
- nunca utilizar em casos de pneumonia ou apendicite

Preparação e Aplicação:

Coloque água ao lume (pelo menos 1 litro), preferivelmente num tacho de aço inox ou esmalte.
Entretanto, rale num movimento circular gengibre fresco (deve utilizar cerca de 100-110 gramas de gengibre fresco para cada 4 litros de água) até este ficar todo ralado.
Coloque o gengibre num saco de pano ou embrulhe-o numa gaze, fazendo uma "bola" que deve atar com um cordel.
Quando a água estiver a ferver, baixe a chama, de modo a que esta se mantenha mesmo abaixo do ponto de ebulição, e esprema o suco do gengibre para a água, adicionando depois a "bola".
Espere mais 5 minutos até a água ficar amarela e exalar um cheiro a gengibre. (Pode de vez em quando espremer a "bola" com uma colher de pau de modo a esta libertar mais suco).
Mantendo sempre a água abaixo do ponto de ebulição, mergulhe nesta uma toalha de algodão e esprema-a, aplicando depois na área desejada (aplique a toalha quente, mas sem queimar).
Sempre que a toalha comece a arrefecer, mergulhe-a outra vez na água e volte a aplicar, repetindo o tratamento durante pelo menos 20-30 minutos, até a pele ficar vermelha.

Nota 1: Não deve colocar sobre a toalha qualquer plástico ou borracha com o objetivo de a manter quente durante mais tempo. Tal processo não deixa que as toxinas que se libertam quando da realização da compressa, saiam livremente; neste caso, isso pode ser prejudicial para a saúde.